sexta-feira, 26 de abril de 2019

Santa Cruz joga bem, vence no tempo normal, mas perde nos pênaltis para Fluminense

Pipico marcou o segundo gol do Santa Cruz no tempo normal / Foto: Alexandre Gondim/JC Imagem
Pipico marcou o segundo gol do Santa Cruz no tempo normal
Foto: Alexandre Gondim/JC Imagem

A torcida compareceu e o Santa Cruz correspondeu no tempo normal. Venceu por 2x0 o Fluminense, nesta quinta-feira, no Arruda, na partida de volta da quarta fase da Copa do Brasil, e levou a decisão para os pênaltis. No desempate, os corais perderam três cobranças com Charles, Marcos Martins e Willian Alves e deixaram escapar a classificação para as oitavas de final. O goleiro Anderson até defendeu a penalidade de Gilberto, mas não adiantou. Além de amargar a derrota, a Cobra Coral perdeu a cota de R$ 2,5 milhões bruto.

O JOGO


Os pernambucanos começaram a partida pressionando os visitantes. Nos primeiros dez minutos, os donos da casa avançaram a marcação e pressionaram os cariocas na saída de bola. Mas na primeira chance que o Fluminense conseguiu trocar passes, um silêncio no Arruda. O atacante Everaldo deixou o centroavante Luciano na cara de Anderson e mandou para fora.
O Santa Cruz não se intimidou e seguiu pressionando o adversário. E a melhor chance foi desperdiçada pelo atacante Augusto. O artilheiro Pipico roubou a bola perto da meia lua da grande área. A bola sobrou para Augusto, que encheu o pé e acertou o travessão. Tendo como referência o camisa nove, o pelotão de frente coral seguiu tentando encontrar espaço.
Ao contrário do jogo de ida, o Tricolor do Arruda conseguiu controlar mais a posse de bola. A entrada do meia Patrick Vieira gerou mais intensidade e ofensividade ao Santa. Já o Fluminense o máximo que conseguiu assustar foi em uma cabeçada de Everaldo.
O segundo tempo começou no mesmo ritmo da etapa inicial. O Santa Cruz continuou tomando as ações da partida e o Fluminense apostando nos contra-ataques. Na melhor das oportunidades, Luciano recebeu livre na pequena área, errou o chute, mesmo assim, obrigou o goleiro Anderson a fazer uma grande defesa.
Para o Santa Cruz, outra grande chance saiu dos pés do volante Charles. Em uma cobrança de bola parada, ele acertou um chutaço, o goleiro Rodolfo desviou e a bola bateu na trave. No rebote, Pipico quase aproveitou, no entanto, o zagueiro Nino apareceu no lance e atrapalhou o artilheiro.
Empurrado pela torcida, o Santa Cruz não desistiu. Aos 27 minutos, conseguiu o primeiro objetivo. Charles cobrou a falta na grande área, o volante Airton desviou, a bola sobrou para o atacante Jô, que bateu de primeira no canto. Três minutos depois, a Cobra Coral aproveitou o embalo para empatar a decisão.
Augusto arrancou, chegou na cara de Rodolfo, tentou o drible e o goleiro desarmou. A bola sobrou nos pés do artilheiro Pipico, que com facilidade empatou a partida no placar agregado e levou o duelo para os pênaltis. Porém, na quarta decisão disputada nas penalidades, a segunda derrota: 3x2.

FICHA DO JOGO - SANTA CRUZ (2) 2X0 (3) FLUMINENSE
Santa Cruz - Anderson; Marcos Martins, João Victor, Willian Alves e Carlos Renato; Charles, Ítalo Henrique e Patrick Vieira (Guilherme Queiroz); Dudu (Jô), Augusto (Elias) e Pipico. Técnico:Leston Júnior.
Fluminense - Rodolfo; Gilberto, Matheus Ferraz, Nino e Caio Henrique; Airton, Bruno Silva e Allan; Everaldo, Luciano e Yony (Pedro). Técnico: Fernando Diniz.
Local: estádio do Arruda, Recife-PE. Árbitro: Flavio Rodrigues de Souza (SP). Assistentes: Vitor Carmona Metestaine e Luiz Alberto Andrini Nogueira (ambos de SP). Cartões amarelos:Pipico e Carlos Renato (Santa Cruz). Caio Henrique e Airton (Fluminense). Gols: Jô aos 27' do 2ºT e Pipico aos 30' do 2ºT. Público: 25.802 torcedores. Renda: R$ 323.155,00

Nenhum comentário:

Postar um comentário

BILL GATES FAZ UM ALARMANTE PROGNÓSTICO SOBRE A PANDEMIA: “AINDA NÃO VIMOS O PIOR”

  O bilionário sustenta que a COVID-19 continua sendo uma ameaça para a sociedade e que a situação pode se agravar O fundador da empresa Mic...